Voltar ao topo
TRIBUNAL DE CONTAS s
Busca
Previsão do Tempo
Maceió/AL
Máx. 28° Min. 21°
Redes Sociais
Alagoas
  • Orkut Button Share

"Não agüento mais a advocacia criminal que eu tanto amava, quando a lei era rigidamente cumprida”, desabafa advogado

25 de Novembro de 2011 10:05

Sidléia Vasconcelos

Tamanho do texto A+ a-
       
 

Foto: Cortesia

O advogado criminalista, Raimundo Palmeira, usou sua página em uma de suas mídias sociais para fazer um desabafo e mostrar sua tamanha decepção em relação a forma como a justiça alagoana vem atuando. Diante da ‘insatisfação’, Palmeira pensa em abandonar a advocacia criminal, porém continuará a estudar o crime e a ensinar as ciências penais.

“Os Tribunais não analisam mais nossas fundamentações nem exigem os requisitos às prisões. Os clientes buscam outros advogados e nos responsabilizam por sua não soltura, e alguns colegas antiéticos aceitam pegar carona como papagaios de piratas nos nossos pleitos já efetivados”, escreveu acrescentando que prende-se por qualquer coisa e se concede pulseiras e tornozelieras ao invés de revogar as prisões desnecessárias.

“Não aprendi assim, aprendi que prisão é medida excepcional, não ensinei assim. Vou advogar no cível; recomeçar no empresarial e me dedicar mais à defesa do Município na minha procuradoria. O amor pelo Direito Criminal permanecerá somente no campo cientifico de pesquisa e magistério. Não agüento mais a advocacia criminal que eu tanto amava, quando a lei era rigidamente cumprida”, desabafou Palmeira.

Palmeira afirmou que irá mostrar a nível nacional, como está a advocacia criminal em alagoas. “Não sei se vou conseguir, mas minha desistência poderia melhorar para os mais jovens, porque onde tenho andado está ruim, mas em Alagoas é o pior. O advogado não tem tido em seus argumentos muito valor; é falar ao vento, e isso cansa. Tenho visto pessoas vocacionadas à acusação julgarem, pessoas brilhantes, mas muito jovens julgarem vidas. Julgar é mais um ato de vivência e imparcialidade do que de conhecimento do direito”, declarou.

"O advogado não tem tido em seus argumentos muito valor; é falar ao vento, e isso cansa", declara.

Ele ainda acrescenta: “Falar, escrever e ninguém ler, para ser palhaço?!”, questiona acrescentando que segredo de justiça é só para advogado. “A polícia divulga na imprensa, material sigiloso, e o pior, parcialmente, - como no caso da prefeita -, e o advogado se falar sobre o material que a polícia não falou é processado. O crime de quebra de segredo de justiça é de ação pública incondicionada. Fica por isso mesmo”, alega.

Palmeira garantiu que, caso, venha realmente desistir da atuação na área criminal, tentará terminar os processos onde está atuando. “Isso se os clientes não me tirarem antes. Tenho cliente preso há seis meses sem formação de culpa. Tenho cliente, mulher presa preventivamente, doente que pode morrer, cometer suicídio se não for solta até dezembro e não tenho onde recorrer. Mas vou continuar ensinando o que é certo, mesmo que teimem em me desmentir por aí afora em alguns julgamentos. Vou continuar dizendo que prender pela repercussão fragiliza o cidadão e a democracia, mesmo que continuem mantendo prisões pela gravidade do crime. Um dia a democracia vence”, finalizou.

Comunicar erros nesta notícia
  • Comente essa notícia

  • Comentários:

    Lánica Nancassa disse em 02/05/2013 as 07:34

    Eu estou a fazer pesquisas acerca da advocacia criminal para assim ter a certesa se eu quero mesmo seguir esta área. Agora já vi os lados negativos e vou preperar-me para quando for advogada criminal, ter a competência necessária para que os meus futuros clientes não me culpem de nada.

    MAURO TORTURA LOPES disse em 07/10/2012 as 22:56

    Sou advogado criminalista há mais de 20 (vinte) anos, não gostaria de fazer comentários negativos sobre a declração do colegas, porém, em parte tenho que concordar, poruqe os tribunais estaduais, não analisam a liberdade dos cidadãos com foco na Constituição, ou seja, a Lei maior....Posso resumir num pedido de liberdade provisória, em muitos casos uma garantia constitucional do acusado mais desprezadas pelos juizes, que apresentam fundamentos na negativa da liberrdade sem qualquer amparo legal, aí o advogadop tem que impetrar um habeas corpus, que normalmente perde sua finalidade porque demora em média mais de 2 (dois) meses para ser apreciado por uma das turmas, ora se o remédio constitucional de emergência leva em média esse tempo é um retrocesso processual, sem falar que realmente o preso acha que a permanencia dele no carcere é culpa do advogado que muitas vezes vai dormir até de madrugada para buscar decisões nos nossos tribunais para instruir os pedidos....... lamentável, mais dinâmica profissão....

    Isso é piada disse em 20/06/2012 as 22:26

    ESSE CONCEITO DESSE ADVOGADO É RIDÍCULO... ELE PENSA SÓ NO SEU BOLSO E NÃO NOS PREJUÍZOS QUE FICAM PARA A SOCIEDADE... EU DISCORDO DESTE CONCEITO CRIMINALISTA .

    Observador disse em 20/06/2012 as 22:03

    Ele ta reclamando de que? Por que ta tendo dificuldade de soltar bandido? So pode ser brincadeira...

    Eliseu disse em 13/02/2012 as 20:55

    É uma pena, mas é a pura verdade. Também estou sendo obrigado abandonar a advocacia criminal que tanto admiro como uma ciência. Não consigo compactuar a vingança estatal.

    João Santana de Mello disse em 26/11/2011 as 04:16

    É lamentavél um advodago deste porte chegar a este ponto, mais nós Brasileiros temos que apoialos pois infelismente ele esta coberto de razão vamos lutar pela nossa dignidade e mudar nossa historia Alagoana. Chega de tanta impunidade.

    Direito disse em 25/11/2011 as 18:02

    Meu ilustre professor, em Alagoas é assim: quem manda é a política, e tudo é pelo interesse politico...

    Maria Daniela disse em 25/11/2011 as 17:55

    Infelizmente no Estado de Alagoas é lugar sem lei: De frente para o mar... de costas para o mundo!!!!

    Eduardo Bianchi disse em 25/11/2011 as 15:39

    Pois é amigo...pelos mesmos motivos é que estou fazendo aportes no meu plano de previdência privada para tão logo que puder, abandonar a prática penal tanbém. Os princípios que aprendemos e estudamos ao longo dos anos estão sendo substituidos por subjetivismos dos julgadores, que querem alimentar a mídia.è uma veraeira DITADURA DOS SUBJETIVISMOS JURÍDICOS, onde nada mais estudado e escrito vale, alem das opiniões pessoais dos julgadores! LAMENTÀVEL.

    Gabriel disse em 25/11/2011 as 15:21

    Dr. Raimundo, concordo com tudo colocado pelo senhor, a justiça alagoana é hipócrita e demagoga. Estou terminando o 6º período de direito e cheguei a conclusão que lei no Brasil e principalmente em Alagoas, não serve pra quase nada. Temos muitos magistrados passando por cima delas e com respaldo, É uma pena para a advocacia que o grande criminalista e processualista tenha tomado decisão tão drástica, porém com toda razão.

    Advogado disse em 25/11/2011 as 14:46

    Nobre colega de profissão, suas palavras certamente pertencem a todos que militam nesta área. Acredito que mesmo aqueles que não tem muito tempo de carência ficam desanimados com algumas situações práticas em nossa pobre Estado. A advocacia (e especialmente a sociedade) perderá muito com sua ausência. Deixo aqui o meu apoio.

    Deixe seu comentário:













Serviços
© Copyright 2011 Alagoas em Tempo Real
VG/Web - Agência Digital